13 de jan de 2016

O planejamento anual

Lugana Olaiá

Quase dois meses passaram desde a última postagem. Mas hoje, revigorada com a alegria de ler "A pior mãe do mundo", tomei fôlego novamente para escrever de mim, e tirar um pouco o peso extra da balança emocional.
Ontem, depois de uma conquista, eu sugeri ao meu companheiro uma comemoração. Ele, negou, pois já tinha o compromisso de cortar seu cabelo. Eu fiquei super chateada internamente. Mas não tenho tido tempo nem disposição para sustentar sequer uma chateação.
Ainda tentei convencê-lo amigavelmente, dizendo que eu estava há muito tempo sem fazer essas coisas (cuidar da beleza). E ele me jogou na cara: "Arrume um tempo, e dê um jeito!". Eu engoli a seco e fiquei calada, triste, na minha frustração, deixando o vento bater na cara. rsrs
O que ele não entende é que eu abro mão. Abriria mão de ir ao salão quantas vezes fosse necessário, se em algumas delas eu pudesse estar com ele por alguns minutos tomando um açaí na rua. Tudo bem que eu não sou super vaidosa, mas poxa, e os momentos mais valiosos que podemos perder para ir ao salão? Eu não vou ao salão nem para deixar de estar com a minha filha, que nem sempre é só alegria, muitas vezes é só trabalho e cansaço. Fiquei arrasada com a facilidade que ele me mostrou como elege as ações de importância na vida dele!
Tá, eu já sabia que ele era pragmático. Mas nem tudo na vida é uma conta de exatas. Algumas coisas precisam ser pensadas, ponderadas. E aí eu me lembro de um chefe, que reconheço estar certo sobre algumas coisas. Eu problematizo demais. Penso demais nos pontos positivos e negativos. Mas eu sou assim, e não quero mudar a ponto de acreditar que é mais importante estar bonita do que estar feliz.
Tá, eu queria acordar bonita, sem necessidade de fazer as unhas, e elas simplesmente serem pintadas cada vez que eu terminasse de lavar os pratos ou as roupas. Eu queria, né? Mas se não dá, eu tomo um banho rápido, visto a roupa que me deixe mais livre para comer sem segurar a barriga e vou encontrar com amigos sem fazer as unhas. hahahaha
E sim, eu falei da barriga. Eu não me importava não. Tinha barriga e era feliz. Escolhi dar atenção ao meu próprio conteúdo. kkkkk! Sério! Mas agora tudo mudou. Eu sou mãe! E tem um monte de mãe sem barriga ao meu redor. Então, tenham paciência comigo CARALHO! É isso que dá vontade de dizer quando as pessoas falam de corpo comigo. Gente, na moral, alguém lê meu blog aí e fala para quem é meu algoz (hihihi) que eu estou com muita coisa para me preocupar no momento. Vou fazer dieta quando tiver espaço na minha mente para contar as calorias das coisas. E provavelmente, vai ser quando eu parar de ocupar a cabeça pensando em respostas ou "caras de paisagem" para fazer quando alguém me pergunta porque eu ainda não emagreci já que SB tem 1 ano!

Um comentário:

lia disse...

Preocupa com esse lance de "ter que ficar barriga de tanquinho,tem que ser magra"..importante linda Lugana,e vc ter saude se alimentar corretamente.Vc e muito jovem,vai dar tempo pra tudo.Inclusive se quiser ir "cultuar o corpicho",que acredito,elegante como sempre foi,ta dando de 10000 em muitas da sua geracao,.Tem tempo...E mais,se me permite opinar,casamento e descobertas diarias.E qdo agente deixa de ser so mulher e passa a ser mulher mae,muitas prioridades ja nao sao tao prioridades.A maturidade a experiencia vai mostrando aos poucos,a melhor opcao,com a certeza que a escolha foi a mais acertada.Paciencia,vcs vao ter tempo p curtir muito ainda.bjs lindinha.